segunda-feira, 2 de maio de 2011

Incompletudes


já tenho em minha carne
o rangido franco,
frio
e solitário
das horas
indivisíveis.

não mais
me demoro os dedos
sobre o fio da faca
na tangência
de um tempo
que não tenho,

pois que me adormece a luz
nas mãos espalmadas,
privadas de palavras
em um silêncio imortal
que se imprime absoluto.

abasteço,
recorrentemente,
a incompletude desta loucura
com teus olhos fugidios,
insistentemente sádicos

: olhos de amassar maçãs
e envenenar riachos lacrimosos.

e é quando as auroras
se transfiguram
em dias cinzentos
que me doo à chuva.

neste então me voltas,
sob a rama deste ipê,
tal um espectro
entre pétalas violáceas

a me contar
que inda existo.

(Celso Mendes)

29 comentários:

Parole disse...

Maravilhoso.

Se é bom ou ruim não importa, o que importa é o sentir... existir, não apenas viver.

Beijos

Prosas e Versos - AndreaCristina Lopes disse...

"olhos de amassar maçãs
e envenenar riachos lacrimosos"

Uma obra de arte. Aliás todos os seus poemas são verdadeiras obras de arte, no entanto, sei incompletudes cria formas, imagens e colores os espaços por onde o pensamente voa. Meus sinceros parabéns. Maravilhoso, amigo Celso.

Beijos!

Deah.

Sandra disse...

Magnífico poema!
Nem me atrevo a fazer qualquer interpretação não vá traí-lo, assassiná-lo.
Só ler e disfrutar.
Beijinho

Tania regina Contreiras disse...

Belo poema, Celso, que vai preenchendo os vácuos que existem também cá, em nós...em nossas incompletude!
abraços,

Luiza Maciel Nogueira disse...

me prendi nesse espectro de palavras, sob o ipê

:)

bjs

Assis Freitas disse...

esse doeu na alma, e quando a alma dói há beleza em demasia nos sentidos, bravo


abraço

Celso Mendes disse...

Obrigado a todos que já comentaram...
Incluí na postagem, posteriormente, uma música do grupo Nine Inch Nails, da qual me lembrei após ler uma postagem do grande Jorge Pimenta, que também usou uma trilha deste grupo. Vieram algumas lembranças e não resisti...

CLAUDINHA POETA 2009 disse...

ALMAS DOLORIDAS
VIAJAM ENTRE RIOS
VIAJAM ENTRE CÉUS
VIAJAM ENTRE TRAMAS
QUE DESABAFA
E FAZ SONHAR
AOS DEVA--NEOS
DO DESPERTAR
PARABÉNS
CLAUDINHA POETA
LONDRINA BRASIL

Sayonara Salvioli disse...

Poema cortante, sinestésico, absoluto... completando as incompletudes da sensibilidade linguística!... Um verdadeiro primor estético e semântico, Celso!
Em análise fria, sem incompletudes. Você é um poeta completo!!!

Jorge Pimenta disse...

o trilho da completude faz-se por entre tantos prefixos...
plúmbeas são as palavras, mas por entre as rochas escuras pressente-se a beleza que não se esconde. e o corpo ilumina-se; e o espírito renova-se.
nin é soberbo :)
forte abraço, amigo!

Reinatoo/facebook.com.br disse...

É desse pletórico existir de elevada ascese, que extraimos as percepções desse viver infinito, uma forma de existirmos, onde olhos
amassam maçãs e um Ipê nos lembra que ...inda
existimos. Meu abraço, poeta!

Lídia Borges disse...

Melancolia e dor são ingredientes que "adoçam" o poema.
Depois, fiquei a beber a beleza das metáforas:
"olhos de amassar maçãs
e envenenar riachos lacrimosos."

Um beijo meu

OceanoAzul.Sonhos disse...

No passar das horas, fechados no nosso silencio, benção poder ler caloroso poema que ilumina e imprime na alma um toque floral onde as palavras preenchem os sentidos.
Parabéns pela escolha musical.
Abraço
oa.s

Suzana Martins disse...

Num olhar que passa horas e tempo, adormeço sob as mãos que afaga a poesia dos versos...

Belo, meu querido!!^^

BEijos

EU disse...

São as "incompletudes" que fazem de nós seres humanos; escrever, poeticamente, sobre elas, fazem-no os POETAS! Parabéns! :)

Menina no Sotão disse...

Nossa, esse atravessou as minhas divisas e calou fundo, bem dentro. Uau. E pra melhorar chove lá fora e uma goteira se faz de ponteiro pra mim. Duas, três, quatro, cinco, seis...
bacio

Celso Mendes disse...

Pois sigo feliz com tantas apreciações ao texto. Meu carinho e agradecimento a todos!

Ana F. disse...

que bom que você existe... belo poema!

Fernand's disse...

lindo.
lindo.
lindo.

amei o poder dos olhos, querido.

Milene R. F. S. disse...

Muito lindo Celso... repleto de sensibilidade, beijos!

Cris de Souza disse...

e como existe! sua voz é vibrante, visceral, vasta.

beijo, poeta finíssimo.

ana kosby disse...

Emotivo lirismo, quase ao abismo da alma, que mais me retaria além de unir palma com palma, e aplaudir. Depois apenas olhar-me, achar-me em tuas letras, e sorrir.
Gostei muito de ler.

Batom e poesias disse...

Celso
Dias cinzentos costumam despertar saudades, mas descrever com essa competência é coisa para poucos...

bjs

Rossana

Daniel Leduki disse...

Um presente aos nossos sentidos, rs! Muito bom poeta! Abs

rauau disse...

bonito, Celso, bonito. Abraço sentido!

ErikaH Azzevedo disse...

Dor fecunda essa..como lágrimas que fertilizam caminhos pela frente...vale mais é sentir do que ser-se dormente.

"Até a morte tudo é vida", Miguel de Cervantes

Bjo ao poeta, menino de belezas...

Erikah

Wania disse...

Celso

não mais
me demoro os dedos
sobre o fio da faca
na tangência
de um tempo
que não tenho
,


Sábias palavras: entendimento completo das incompletudes!

Linda poesia!
Bj grande

Fred Caju disse...

Esplêndido, Celso. Sem palavras mais!

Daniela Delias disse...

Uau, Celso...levou-me as palavras...que coisa linda, meu amigo. É maravilhoso vir aqui. Bjos!