terça-feira, 29 de março de 2011

Interzona

palavras insolúveis passeiam em minha noite
infestadas de estrelas, aromas e pios de coruja,
ao tempo em que a boca esboça versos
que se prendem na zona de luz
e as mãos amassam coágulos de vida.

amanhã talvez eu percorra outras vitrines
e arranje um sorriso novo para este lamento
alojado em minha epiglote. não sei porquês,
mas sei que assim é, pois sinto o tato rubro de uma saudade
acariciar-me a nuca e entristecer-me o azul.

mas não há amanhãs, amanhãs são apenas sonhos:
prendo-me às ervas daninhas da relva rasteira
para não deixar meus cacos à deriva
enquanto meu corpo cansado bate nas pedras da corredeira
a colecionar hematomas que são só meus
e guardo com carinho. visito apenas caminhos que pisei
à espera de que a lua me embale o sono.
visto-me da mesma pele de sempre
adornada de conhecidas cicatrizes. acomodo-me,
aguardo o acordar com novas marcas.

neste então,
flutuo entre a relva e as pedras.

onde estariam aqueles versos da zona de luz?

(Celso Mendes)

25 comentários:

CARLA STOPA disse...

E o pio da coruja deu o tom misterioso a esse passeio por estrelas e aromas...Beijo, amigo.

Celso Mendes disse...

O piar da coruja sempre me aguça, Carla...rs

Beijo, amiga!

Cervan disse...

Bonito!

Maria G. disse...

Um tom sombra atravessa o poema...
E deixei-me ficar presa no "mas não há amanhãs, amanhãs são apenas sonhos"

Sonhemos, então!


Um beijo

Sonhadora disse...

Desculpe adentrar assim, mas gostei do que li e tomei a liberdade de seguir para poder voltar.

Deixo um abraço
Sonhadora

Celso Mendes disse...

Obrigado Cervan, obrigado Maria.

Sonhadora, se gostou volte sempre, será sempre um prazer...

Abraços a todos!

Celso Mendes disse...

NOTA: houve um erro de digitação na primeira estrofe, que corrigi agora, espero que em tempo. (Aonde estava "invisíveis" era, na verdade, "insolúveis")

Márcio Ahimsa disse...

amanhãs são sonhos que os hematomas não sentem, agora são sentimentos que os amanhãs não percebem e sonhos são agoras vestidos da pele sem hematomas do amanhã.

Abraço, amigo. Poema intenso.

Suzana Martins disse...

Lindo, lindo e lindo!!
Deixo aqui o meu aplauso!!

A beleza das palavras, escritas com pó de estrela, ilumina um céu, feito de pautas e papel. Palavras e versos que me embriaga com beleza estonteante!!!

Perfeito, meu querido!!^^

Beijos

Assis Freitas disse...

neste então explodem galáxias,


abraço

Tania regina Contreiras disse...

Gosto muito do seu estilo Celso. Mais um poeta para que precisarei achar tempo (nesse corre-corre) pra ler...rs. O tato da saudade é rubro, um azul que se entristece...um belo poema!
Beijos,

Maria do Carmo Antunes disse...

Te ler é me enriquece do tamanho do universo; é uma prazerosa viagem intergaláctica. Belíssimo!

marlene edir severino disse...

Os versos da zona de luz estão bem aí, na essência desse doce e triste poeta.

Que bonito teu poema, Celso!

Um afetuoso abraço

Marlene

rauau disse...

palavras insolúveis...amassam coágulos de vida.

Bello meu caro!!! Grande abraço

Celso Mendes disse...

Muito grato aos amigos que comentaram e sua generosidade. Grande abraço a todos.

Aline disse...

Celso

O melhor nesse poema são as inúmeras viagens contidas em cada estrofe e em cada verso. Tive que ler tres vezes e ainda sinto que não deixei a poesia me penetrar por completo...
Sigo lendo!
Beijos!

Aline Morais Farias
Periódico Subversivo
http://alinemoraisfarias.blogspot.com/

Cris de Souza disse...

és um poeta digno de releitura...

evoé!

Graça Carpes disse...

Que maravilha de ser... Sua pessoa!
É um duplicado prazer.
:)

http://pulsarpoetico.zip.net

Ana Morais disse...

Me agarro aos sonhos do "amanhã", é o único fio que reune dias renovados, sem amarras e com ausência de correntezas, sei que alí, o tempo cicatriza as marcas presas aos remorsos, onde enfim, encontrarei a "zona de luz".

Repito, é um prazer tê-lo sempre ao redor do meu mundo.
Um abraço, poeta!

Milene Souto disse...

Lindo e triste poema, repleto de sonhos e marcas, beijos!

Kiro Menezes disse...

Ai... minha tristeza mina das entrelinhas de tal beleza que é teu poema...!

Lindo!!! ♥

Amei.

Beijos querido! ^_^•

Jorge Pimenta disse...

irrepreensivelmente luminoso este teu texto, amigo celso.
sabes? deixei de procurar os estilhaços dos meus versos. são uns amotinados, esses :)
abraço!

Menina no Sotão disse...

A pergunta final me remeteu de encontro a um horizonte distante que a gente acredita alcançar a qualquer momento e diz "amanhã" pra ele olhando-o com a certeza de que haverá tempo e lá ao longe, ele zomba de nós com suas garças farfalantes. bacio

Celso Mendes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Celso Mendes disse...

Aline, Cris, Graça, Ana M, Milene, Kiro: generosidade feminina não se dispensa... beijos!

Meu caro Jorge, deixar as palavras se amotinarem é dar a liberdade que prezo na poesia. Grande abraço, amigo!

Menina do Sótão, serás sempre bem vinda neste porão de sentidos e direções. Obrigado! Beijo.