quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Janelas


toda lua
que visito
conta-me uma história
e o segredo
guardado
e assimilado
da luz
de cada sol

nunca sigo igual

(Celso Mendes)

9 comentários:

Flá Perez (BláBlá) disse...

perfeito!!!!


bjbjbj

CARLA STOPA disse...

Impossível seguir igual depois de luzes de lua e sol...Um abraço...

Lara Amaral disse...

Uma luz sempre renova a ressaca que a outra deixa. Somos sempre uma estrela nascendo e morrendo.


Beijo.

Lídia Borges disse...

A renovação e o crescimento humano em cada história guardada.

Muito bonito!

L.B.

Celso Mendes disse...

Obrigado, queridas poetisas. Que a sensibilidade de cada uma de você tenha alcançado a singeleza desses versos me deixa muito feliz.

Colecionadora de Silêncios disse...

Fantástico! :)

Seus poemas são encantadores!

Beijos, poeta!

Celso Mendes disse...

Obrigado, Patrícia!

Beijo!

nydia bonetti disse...

Embora eu não seja lua, por favor, continue me visitando. :) Nunca seguimos igual, a cada olhar de luz nos tornamos mais brilhantes. Beijo!

Tiago do Valle disse...

A cada poesia sua que leio, entendo mais o que quis dizer no texto do seu perfil... Manipular as palavras, é o que você faz.