terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Humor Aquoso


o desenho da chuva
sinuoso
me acompanha
como em um delirium tremens
cristalino
disfarçado de lágrimas
em meu corpo vítreo

foi assim
que de manhã
pensei chorar
enquanto sol

(Celso Mendes)

6 comentários:

Lara Amaral disse...

E dizem que o alvorecer seca qualquer orvalho... será?

Belíssimo poema, meu amigo!

Beijo.

Jota Brasil disse...

Dizem que a chuva é um lamento. O poema também o é?

Celso Mendes disse...

O tempo talvez, Lara, mas deixa marcas. Obrigado, querida!

Beijo.

Celso Mendes disse...

Jota, não deixa de ser, meu caro. Aqui tentei "fabricar" algumas dualidades que convivem conosco e nada como a chuva pra causar um fluxo, né?

Abraço grande!

Colecionadora de Silêncios disse...

Celso, vc escreve lindamente. Gosto dessa sua forma de se expressar...

E essa imagem que vc criou da chuva no corpo vítreo... foi uma metáfora perfeita! Parabéns!

Abraço

Celso Mendes disse...

Obrigado, Patrícia. Feliz com seu comentário.