quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

Híbrido


esses dedos
não mais me tocam
mas ardem
— sequela de tempestade em ferida —
rasgam velhos sonhos podres
rasuram memórias torporosas

eram deles as unhas-navalha
que levaram pedaços meus
encravados

ainda restam-me
suas lascas cartilaginosas
mescladas
em minha carne
em meus ossos
em minha alma


ainda resto-me híbrido

(Celso Mendes)

3 comentários:

Lara Amaral disse...

Muito aprecio esses poemas sensitivos. Uma força de leitura ótima tem o seu.
Lembrei-me de algo semelhante que escrevi: http://laramaral-teatrodavida.blogspot.com/2010/07/flor.html

Beijo.

Celso Mendes disse...

Li "à flor". Muito belo. Gosto sim de explorar sentidos e sensações. A visceralidade da escrita me atrai. Obrigado pela presença frequente aqui.

Beijo.

doni seo disse...

obat kuat

pemutih badan

obat asam urat

obat pelangsing

obat hernia

obat diabetes

obat herbal

game pc

obat kuat semarang