quinta-feira, 27 de outubro de 2016

Brisa

que não me espreite o vento como às feras
pois minha morte é caminho solitário
e desta vida nada mais sei
que o esconderijo
bem onde guardo
todos os meus olhos

que não me espreite o vento
apenas
leve

bem leve


(Celso Mendes)

2 comentários:

Dolce Vita disse...

Ler-te é um privilégio. Beijos

Princesa do Mar disse...

Que a brisa toque o coração e desenhe sorrisos no horizonte afastando a solidão...