sábado, 6 de setembro de 2014

O último verso


de migalhas de sonhos quase esquecidos
em noites infinitas,
de milhares de paredes que risquei
com centelhas de anos-luz,
de luzes que plantei,  de escuros que aprendi,
de sinais
e de sintomas
faço um novo dia
sob o mesmo sol
que já nem brilha como antes
mas continua a me esperar.
[até o último verso]

Celso Mendes

Um comentário:

Raimundo Lonato disse...

Caminhar sempre em direção à luz. Perceber os frutos e aprender a ouvir o lamento das folhas levadas pelo vento.