quarta-feira, 14 de julho de 2010

Itinerários

paisagens de luz
margeiam a escuridão
superam paradigmas
repelem o falso brilho dos satélites
mas são apenas mais uma opção

cada escolha é um novo abismo a explorar
(o choro do bebê é apenas um começo)

viajar até o limite
mergulhar o próprio interior
saber do espaço infinito
reconhecer o desconhecido
aprender do vazio e do nada
são coisas das quais não se pode fugir

sempre existe um caminho no final da estrada
e todo medo se perde
onde começa o fim

(Celso Mendes)

3 comentários:

Dhenova disse...

Ler Celso Mendes é encontrar sempre o caminho, a trilha, as 'trajetórias' que levam à poesia.

Sou fã.

Dhenova

Rodrigo Passos disse...

gosto do cheiro do seu blog!!!

Celso Mendes disse...

Obrigado, Dhe e Rodrigo! Fico muito feliz com os comentários...

Abraços!