sexta-feira, 3 de junho de 2016

O que tiver de ser


então que venha devagar. suavemente se esparrame, preencha os sentidos mas não os espaços, abrigue-se aqui. que permaneça, aninhe-se, faça morada, mimetize-se cada vez mais e mais e mais até se tornar imperceptível. que se faça entender tão claramente, tão completamente, tão naturalmente que, aí então e só então, me pertença sem ser meu.

(Celso Mendes)

3 comentários:

Ruy Villani disse...

Sempre muito inspirado

Dolce Vita disse...

Que beleza! Bom demais ler-te! Beijos

Fafa Fly disse...

Que lindeza as coisas que você escreve, meu rapaz, adorei.