sexta-feira, 26 de junho de 2015

Passagem

volto
volto por que sou breve
[mas nem sempre leve]
por que sou teu sangue
sou de carne e vento
e levo este peso que corre nas veias
de todos os homens
em mim

volto
volto por que a linha é finda
e porque a linha é curta as palavras se infinitam
e os espaços se comprimem
e estes sonhos se amontoam

ossos me suportam
água me aglutina
fogo me alimenta

sou pedra, rio, tempestade
verto
reciclo
chovo, chovo
mas não para sempre
: por isso volto

volto por que
a luz é breve
eterna
é a escuridão

(Celso Mendes)